Identidades e Máscaras

Postagem Original em A Valsa das Flores Mortas

É incrível ver o tempo passar, ver que tanto se passou e na verdade não aconteceu nada. Ou quase nada.

Dificil dar a cara a tapa, quando quem bate é seu espelho, refletindo as rugas incomodas, mas nunca inesperadas.

Já não sirvo para especular o que os atuais adolescentes pensam, meus 15 anos já passaram e mesmo lá eu já não os entendia. Triste o fim, quando o fim é o que sobra. Por que essa busca insensata em procurar um fim, algo que termine com o que se pensa, se faz, se sofre, quando não se aprendeu nem mesmo a começar? Nada do que se conquista é fixo, se quando o sucesso ocorre e já não é mais o suficiente. Essa eterna busca, essa velocidade em se mudar, em se sentir, em querer viver, burlar as regras, sem nem se importar com quais delas, apenas pelo prazer de “perverter a ordem e os bons costumes”. E no final essa birra, essa busca pobre por reconhecimento não passa de uma reação química em um corpo que nem desenvolvido está. A lei te coibe, afinal nem idade você tem. A biologia te reprime, afinal nem adulto você é. A psicologia te restringe, afinal nem maduro se é, ainda.

Por melhor ou pior, mais ou menos evoluido fisica, psiquica ou espiritualmente falando você ainda é o inicio de uma trajetória, depois não se sabe por que esta tão longe da tranquilidade e da paz que os mais velhos e maduros tem. De alguma forma já passaram por isso, e já conquistaram o que tinham que conquistar.

Não entendo por que tanto falatório, querem tudo tão rápido, e ignoram que tem tanto trabalho a fazer. Não que eu não goste de curtir, descansar ou seja o que for, mas não me sinto no direito disso ainda, tenho muito a fazer, por mais que eu já faça. Já fui acusado de não conseguir parar, de estar sempre em 220v, mas sou eu quem faz demais, ou os outros que fazem de menos? Essa pretença rebeldia é apenas uma máscara para esquecer os problemas, mas até entendo, quando não se sabe nem o que é, nem o que pode fazer. E no final a resposta está aí dentro, basta alguém te mostrar, ou que você diminua a velocidade, solte o freio e olhe pra si mesmo.

Essa busca por um grupo que te aceite, divida os problemas entre si e que se una para crescer juntos… Vê-se muito disso em redes sociais, sejam igrejas ou escolas, ou até orkutes e Twitter’s da vida…

Diz-se muito sobre buscar uma identidade, cultivar e blablabla…

Mas alguém ensina como se faz? Você busca tanto… Quando vê já formou uma para si, e não é o que queria.

Pensei em tantas coisas a respeito, e mesmo acreditando que já tinha uma opinião sólida a respeito me deparo com um problema, alguém que me pede conselhos. As vezes sou exigente demais, em todas as outras acredito que é o melhor que posso fazer. Redefini meus conceitos, mesmo não sendo os meus que precisavam de uma repaginada.

Não tenha vergonha ou medo de ser quem se é, não tenha medo de assumir uma postura, de se assumir.

Atrás ou, na falta de uma identidade própria, a fuga mais fácil é criar máscaras, e esconder-se atrás delas, para fugir dos erros, das falhas e das cobranças.

A grande sacada é aprender a viver sem precisar de máscaras… Mas as pessoas que as usam tem medo de quem não precisa delas, de quem tem força pra admitir que é humano, que erra, mas que também acerta. Conseguir sozinho ou não é relativo.

Alguns conseguem, outros precisam de uma ajudinha, o fato é que não vivemos sozinhos, e nunca fazemos nada sem sermos vistos, ou sem vermos alguém.

Olhar-se no espelho pode ser dificil as vezes, mas é necessário. Encarar os proprios erros, ver-se como humano, as vezes vale a dor de enfrentar as verdades que se teimam em esconder.

A verdadeira revolução começa de dentro, não de fora. Antes de salvar o mundo, salve a si mesmo. Os Deuses não farão por ti, o que não fizeres por si mesmo.

Máscaras são bonitas, como enfeite, mas o melhor carnaval ainda é o de Veneza.

Obs: A postagem nasceu como um desabafo, sobre coisas que sdenti na época, sobre os problemas que estive imerso com o circulo social que eu frequentava, ervi o texto e pensei ser totalmente pertinente com o caminho do Adepto, pois há a busca itnerna, as duvidas e os riscos dos neófitos, a velocidade em querer se tornar mestre, ter a estabilidade e a sabedoria, mesmo sem ter muita noção de coo ou do qeu fazer com aquilo.

No final é apenas mais um processo, crescer não é fácil, e acredito que todo grande mestre teve seu periodo de jovem e indeciso aprendiz.
Nem tudo está perdido, como já disse em outra postagem: basta paciência, e disciplina, mas  isso não se ganha, se cria. Dai vai a persistência e da vontade real do estudante. No fim sigam suas intuições, confiem nos seus próprios corações, e vençam o monstro qeu há dentro de cada um de nós.

Quando alguém descobrir como se faz, me avise.

Anúncios

2 comentários sobre “Identidades e Máscaras

  1. Nem todos pervertem a ordem e os costumes “por perverter”, ou “para chamar atenção”. E nem todos vestem máscaras para aparentar um poder que não se tem.

    Há outros usos para ambos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s